Muito ouvimos falar no glúten, mas pouco entendemos o que ele realmente é e faz com o nosso organismo.

O glúten é uma proteína presente em alguns cereais, como trigo, cevada, centeio e aveia, que tem como principal característica na culinária conferir elasticidade nas massas, ou seja, a famosa “dar a liga”. Conforme a massa é sovada ele forma uma rede que faz com que o gás carbônico, formado pelas leveduras do fermento, não saia dela, fazendo com que cresça e fique fofa. O pão só é macio e o bolo cresce e fica fofo por causa do glúten.

Para quem é prejudicial?

O glúten só se torna vilão para pessoas que são diagnosticas com a doença celíaca. Nesta doença os aminoácidos que formam esssa proteína do (gliadina e glutelina) desencadeiam uma resposta inflamatória que ataca principalmente o intestino, mais especificamente nas suas vilosidades (são as microvoltas que temos na parede do intestino responsável pela absorção dos nutrientes). Uma vez inflamadas, elas não cumprem o seu papel causando desconfortos abdominais diversos como a distensão, flatulência, diarreia e muita dor. Em alguns casos também gera dores de cabeça intensas e dermatites.

Na doença celíaca, o estado nutricional do paciente se torna bastante comprometido devido a diminuição da absorção dos nutrientes, por isso a ajuda de especialistas é muito importante. Não há idade fixa para a doença aparecer, há casos de crianças e até pessoas que são diagnosticas já na fase adulta e idosa.

Algumas pessoas não são celíacas, mas referem que após comer grande quantidade de alimentos que contém o glúten sentem alguns desses sintomas, são as chamadas intolerantes ao glúten.

Mas para saber se você possui a doença ou a intolerância, antes de retirar o glúten totalmente da dieta , procure um clínico geral que irá iniciar a investigação e caso realmente a suspeita se confirme, o gastroenterologista e o nutricionista farão o tratamento correto.

Leia também  Shakes para emagrecer funcionam?

Alimentos sem glúten emagrecem?

Essa é uma dúvida de muitas pessoas. Hoje a mídia traz depoimentos de celebridades que retiraram o glúten da alimentação e perderam peso, mas será que foi só isso que elas fizeram?

A nossa alimentação, desde muito tempo atrás, é a base de farinha de trigo. Agora imagina retirar todos os alimentos que contém esse ingrediente: pães, bolo, macarrão, massa de panqueca, tortas, biscoitos, pizza, esfiha, salgadinhos, produtos industrializados que podem conter trigo. Vamos pensar também na cerveja, afinal, é feita de cevada e trigo. Retirando todos esses alimentos que possivelmente vem acompanhados de gorduras e açúcares, com certeza perderemos peso, mas não é por causa do glúten diretamente, mas sim por uma restrição calórica.

Quais alimentos possuem e quais são isentos de glúten?

O glúten está presente na composição do trigo, centeio e cevada. A aveia não possui o glúten na sua composição, mas por ser armazenada na maioria das vezes junto desses outros cereais, ela acaba se contaminando. Por isso, esses quatro cereais e seus derivados possuem a proteína: farinhas, farelos, grãos e flocos.

Já o milho, arroz, linhaça, chia, quinoa, triticale e outros são isentos do glúten.

Na indústria, muitas vezes o mesmo equipamento faz diversos produtos, por isso, na embalagem dos alimentos industrializados é obrigatório os dizeres de CONTÉM GLÚTEN ou NÃO CONTÉM GLÚTEN. Ainda pode estar escrito que contém traços de glúten, ou seja, na receita original não vai nenhum alimento que contenha a proteína, mas no meio da fabricação pode entrar em contato de alguma forma. Mais informações sobre rótulos acesse o link.

Se você ainda está em dúvida se deve ou não retirar o glúten do seu dia a dia, pense nos prós e contras. O problema é o glúten ou seu estilo de vida desregrado e exagerado? Faça um inflexão e opte sempre pelo nem demais nem de menos, tudo na vida existe um equilíbrio!

Leia também  Quero ser vegetariano, e agora?

Beijos =**