O diabetes é uma doença metabólica caracterizada pela deficiência na produção de insulina ou incapacidade da mesma exercer a sua função. A insulina é o hormônio responsável por permitir que a glicose sanguínea penetre a célula para ser transformada em energia. Ou seja, se esse hormônio não exerce sua função como deveria, ou se possui uma deficiência na sua produção, a consequência é um acúmulo de glicose corrente no sangue, o que costumamos chamar de hiperglicemia.
Existem dois tipos mais comuns de diabetes: o tipo 1 e o tipo 2. Fácil né? Vamos agora entender melhor quais são as diferenças entre eles!

Diabetes tipo 1

O que acontece? Nesse tipo de diabetes os anticorpos do sistema imunológico atacam as células produtoras de insulina e a mesma não é produzida. O diagnóstico geralmente é estabelecido em crianças e adolescentes, mas isso não é uma regra, há casos onde a doença manifestou sintomas já na fase adulta.

Quais são os sintomas? Os que melhor caracterizam esse tipo de diabetes são a vontade de urinar seguidas vezes (muito mais que o comum), muita sede, muita fome, e uma perda de peso significativa em um período curto de tempo. Além desses sintomas citados, vômitos, náuseas, fraqueza e fadiga também podem ocorrer devido a doença.

Sintomas diabetes tipo1

Como tratar? O controle da dieta é fundamental. Os diabéticos tipo 1 devem evitar consumir carboidratos simples, como açúcares, pães, e massas brancos, pois esses alimentos possuem um índice glicêmico muito alto, o que significa que é rapidamente absorvido pelo organismo acelerando as taxas de glicose no sangue. Por isso, é indicado o consumo de açúcar mascavo, pães e massas integrais, pois são carboidratos de baixo índice glicêmico, ou seja, demoram mais para serem absorvidos. A aplicação de insulina deve ser feita antes das refeições e a glicemia deve ser aferida várias vezes durante o dia.

Leia também  Neofobia alimentar

Insulina

Diabetes tipo 2

O que acontece? No diabetes tipo 2 existe a produção de insulina, porém, o corpo cria uma resistência a esse hormônio tornando sua ação muito mais difícil. Outra forma que também pode acontecer, é a pouca produção de insulina, não dando conta de toda a glicose corrente no sangue e causando a hiperglicemia. O diagnóstico desse tipo de diabetes é frequentemente feito na fase adulta ou até na maturidade, mas isso também não é uma regra. Crianças e adolescentes podem apresentar sintomas, principalmente se forem obesos. A obesidade é um grande causador de diabetes tipo 2, pois a grande quantidade de gordura, localizada principalmente na cintura, leva o nosso organismo a resistir à insulina e elevar os níveis de glicose.

Diabetes obesidade

Quais são os sintomas? Deferentemente da diabetes tipo 1, os sintomas do tipo 2 aparecem bem mais tardiamente, mantendo a doença oculta por vários meses ou até mesmo anos. Por isso é muito importante realizar o exame de glicemia periodicamente, principalmente se você é obeso ou possui casos na família. Os principais sintomas são: difícil cicatrização de feridas simples, formigamento de membros e visão embaçada. Como você pode perceber, esses sintomas podem ocorrer e não serem associados à doença, pois são simples e corriqueiros, não chamam muita atenção. Contudo, sintomas como muita vontade de urinar, muita fome e muita sede também podem aparecer.

Como tratar? O tratamento tende a baixar os níveis de glicose através de uma dieta restrita em carboidratos simples, assim como no tipo 1. É muito importante que o consumo de gordura também seja mais restrito, para que haja perda do peso nos obesos, e que não ocorra ganho de peso nos eutróficos.  Na maioria dos casos, não é necessária aplicação de insulina. A atividade física é um grande aliado no controle da glicemia e perda de peso também, mas deve ser orientada pelo médico e acompanhada por um profissional de educação física.

Leia também  Carnes processadas e o câncer colorretal

Integrais

 

O diabetes é uma doença crônica, portanto, não é transmissível pelo contato ou pelo ar. Se você possui histórico familiar de diabetes fique atento, as chances de desenvolver a doença é 2x maior. Então mantenha hábitos saudáveis e seus exames em dia. O diabetes não tem cura mas é possível ter uma vida normal se for tratado e controlado corretamente!

Ficou alguma dúvida? Então escreva pra gente, e não deixe de compartilhar esse post nas suas redes sociais para mais pessoas ficarem informadas!

Beijo beijo, e até o próximo post!