Vou contar sobre outra experiência minha, a cirurgia bariátrica. Trabalhei em um hospital no setor de cirurgias do aparelho digestivo e, entre todas as cirurgias, a que mais se destacava era a bariátrica. Indicada para pacientes obesos, tem como objetivo a perda de peso, normalização das doenças que acompanham a obesidade e melhora na qualidade de vida. É conhecida popularmente como a cirurgia da “redução de estômago”, porém possui diversas técnicas.

Quem pode realizá-la?*

A cirurgia bariátrica tem critérios de inclusão estabelecidos pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica que incluem índice de massa corpórea (IMC), idade e tempo de doença.

Quanto ao IMC:

  • IMC maior de 40kg/m², independente se há ou não doenças associadas (diabetes melitus, hipertensão, colesterol alto, problemas ortopédicos, entre outros);
  • IMC entre 35 – 40kg/m² com doenças associadas;
  • IMC entre 30 – 35kg/m² desde que a doença associada seja classificada como “grave” pelo médico especialista da mesma.

Quanto à idade:

  • Menores de 18 anos com indicação multidisciplinar unânime, consentimento e comprometimento dos pais;
  • Entre 18 e 65 anos não há restrições;
  • Maiores de 65 anos também com indicação multidisciplinar unânime avaliando os benefícios do emagrecimento e expectativa de vida.

Quanto ao tempo da doença:

O paciente deverá estar em tratamento para a obesidade a mais de dois anos e ter passado por reeducação alimentar, exercícios físicos e medicamentos sem sucesso ou com recidiva de peso.

obesidade (1)

Tipos de cirurgia*

No Brasil são permitidas quatro técnicas cirúrgicas:

  • Bypass gástrico ou derivação em Y de Roux: consiste em uma diminuição do estômago por meio de grampeamento, e também um desvio no intestino. Esta técnica promove o aumento do hormônio da saciedade e menor absorção de nutrientes. É a mais utilizada hoje em dia;
  • Duodenal Switch: ocorre a redução do volume do estômago verticalmente e desvio intestinal diminuindo também a absorção;
  • Gastrectomia vertical:  nesta técnica apenas o estômago sofre mudanças no seu volume;
  • Banda gástrica ajustável: composta por um anel alocado ao redor do estômago que controla a passagem do alimento e o esvaziamento gástrico.
Leia também  Dietas restritivas e o efeito sanfona

bariatrica

Todas essas técnicas são bastante invasivas pois possuem diversas manobras das quais cada profissional adota a sua, de acordo com o caso clínico.

E o paciente?

A vida do paciente muda completamente. Do ponto de vista fisiológico ele vai perder peso drasticamente no início. Como consequência suas doenças associadas vão melhorando gradativamente e, uma vez consciente e disciplinado, deixa de ser um paciente doente e passa a ser uma pessoa sadia.

Mas tudo isso acontece através de muito esforço, força de vontade e dedicação, pois a bariátrica também traz diversos sintomas e complicações no meio do tratamento, como por exemplo, a síndrome de dumpping, que apresenta-se após a ingestão exagerada de doces e/ou gorduras trazendo sudorese, taquicardia, queda da pressão e um mal estar intenso, que passa repentinamente. Tmabém estão presentes vômitos e complicações cirúrgicas. Como consequências mais graves, o paciente ao longo do tempo pode apresentar desnutrição proteico-calórica, deficiências severas de vitaminas e minerais ou até mesmo o reganho de peso.

Do ponto de vista psicológico, esse paciente terá outra relação com o alimento, de modo que as quantidades serão menores. Podem apresentar aversões alimentares, modificações na consistência da dieta até o organismo adaptar-se ao seu novo corpo. As relações sociais também mudam (família, amigos e conhecidos), afinal a aparência é bastante modificada. O alimento sempre está presente, em uma reunião de trabalho, em um encontro com os amigos, uma visita familiar por exemplo, e este é outro momento que o paciente pode passar por situações constrangedoras de não aceitar o alimento ou comer em pequenas quantidades. Por isso, devemos auxiliar no tratamento e não insistir!

“Eu fiz!”

“Aos 28 anos procurei um endocrinologista (pela milésima vez!) e ele me pediu todos aquele exames habituais. No retorno, descobri que todas as minhas taxas estavam alteradas. O que naõ estava consolidado eu estava pré. O médico me disse: “Você não faz 40 anos”. Aquilo me assustou profundamente, pois planejava muitas coisas para o meu futuro. Depois de 8 anos lutando contra a ideia de fazer a cirurgia bariátrica tomei minha decisão. Estava pesando 150kg tendo 1,86m com IMC 43kg/m². Participei de todo o processo pré-operatório sendo orientado por nutricionista, psicólogo  pelo próprio cirurgião, por três meses. Esta fase foi fundamental para o resultado final. Hoje peso 80kg e todas as minhas taxas estão adequadas. Acredito que pelo fato de ter seguido regularmente o que me foi orientados por esses profissionais, sofri apenas com a síndrome dumpping que persiste até hoje. Para aqueles que acreditam que a cirurgia é milagrosa, informo que o esforço e a força de vontade são fundamentais para o êxito.” Maurício Figueiredo

Leia também  Dieta paleo vale a pena?

Na cirurgia bariátrica o acompanhamento com médico, psicólogo, nutricionista, entre outros profissionais é de extrema importância, é tratamento para a vida toda!

A indicação deve ser muito bem pensada e estudada entre os profissionais e o paciente, e o tratamento deve ser feito no pré o no pós cirúrgico para que todas essas mudanças e sentimentos sejam trabalhados.

A maioria dos pacientes que eu acompanhei tiveram sucesso, mas aqueles que abandonaram as consultas e não seguiam as recomendações tiveram complicações.

Vamos ser conscientes, respeitar e amar o nosso corpo, é nosso maior bem!!

Essa é a nossa opinião! Qual a sua?

Beijos ;**

* Fonte: http://www.sbcbm.org.br