Na semana passada, tivemos o pronunciamento de três empresas produtoras de refrigerantes referente à venda de seus produtos em cantinas de escolas. Veja o que disseram:

“A obesidade é um problema complexo, causado por muitos fatores, e as empresas de bebidas reconhecem seu papel de ser parte da solução. A partir de agosto, a Coca-Cola Brasil, a Ambev e a PepsiCo Brasil vão ajustar o portfólio de bebidas vendidas diretamente às cantinas de escolas no país. A principal mudança é que as empresas venderão às escolas para crianças de até 12 anos (ou com maioria de crianças de até essa idade) apenas água mineral, suco com 100% de fruta, água de coco e bebidas lácteas que atendam a critérios nutricionais específicos.

O novo portfólio tem como referência diretrizes de associações internacionais de bebidas. Novos produtos lançados pelas empresas poderão ser incluídos, no futuro, seguindo essas referências.

No momento do recreio, os alunos têm acesso às cantinas escolares sem a orientação e a companhia de pais e responsáveis, e crianças abaixo de 12 anos ainda não têm maturidade suficiente para tomar decisões de consumo. Coca-Cola Brasil, Ambev e PepsiCo Brasil entendem que devem auxiliar os pais ou responsáveis a moldar um ambiente em escolas que facilite escolhas mais adequadas para crianças em idade escolar, assim como estimular a hidratação e a nutrição, contribuindo para uma alimentação mais equilibrada.

A escolha do portfólio no Brasil também foi baseada em conversas com especialistas em saúde pública, alimentação e nutrição, além de profissionais e instituições ligadas aos direitos das crianças. A política valerá para as cantinas que compram diretamente das fabricantes e de seus distribuidores. Em relação às demais, aquelas que se abastecem em outros pontos de venda (supermercados, redes de atacados e adegas, por exemplo), haverá uma ação de sensibilização desses comerciantes por meio da qual todos serão convidados a se unir à iniciativa.

As três companhias também estão trabalhando com a ABIR (Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas) para que essas diretrizes de venda de bebidas a escolas sejam um compromisso de todo o setor.”

refrigerante

Essa medida é importante? Sim! Causará impactos positivos? Sim! Mas são suficientes? Não…

O consumo do açúcar é altíssimo no Brasil, através de doces industrializados, chocolates, refrigerantes, biscoitos recheados, bebidas açucaradas e o próprio açúcar de adição. Esse hábito não se inicia exclusivamente na escola. As crianças têm como exemplo seus pais e familiares e se estes consomem esses produtos de forma indiscriminada e fazendo parte da rotina de casa, por que as crianças reagiriam de forma diferente?

Se tem ação que mais me revolta e dá pânico ao ver é refrigerante ou suco industrializado na mamadeira de bebês!!!! Isso deveria ser proibido! Nós formamos os hábitos alimentares dos nossos filhos, nós moldamos seu paladar quando eles ainda têm meses e iniciamos a introdução os alimentos. Por isso, se logo antes de dois anos de idade o consumo desses alimentos for sem limites, mais propensão a ser uma criança que come mal, prefere besteiras aos alimentos saudáveis, e predisposição a doenças como diabetes, hipertensão, colesterol alterado, problemas cardíacos, articulares, obesidade entre outros problemas de saúde que envolvem a má alimentação ele terá.

Essa ação das empresas de refrigerantes é um passo inicial à conscientização!!! Não espere que a escola eduque seus filhos, a educação e a formação de hábitos de vida saudáveis vem de casa!!!

Fica a dica!

Beijos =**

Leia também  Nunca ofereça alimentos para o filho dos outros!