O primeiro ano de vida é um dos momentos de maior desenvolvimento, descoberta e mudanças na vida do bebê. As necessidades calóricas nessa fase são de duas a três vezes maiores do que no indivíduo adulto e 40% dessas calorias são usadas no processo de crescimento. Por isso, a atenção nas carências nutricionais, afinal as crianças são o principal grupo de risco à essas deficiências, principalmente na fase da alimentação complementar.

Dessa maneira, o incentivo ao aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de nascimento é tão importante, afinal é o alimento mais completo para o início da vida. E quando o bebê atinge os seis meses é iniciada a alimentação que complementa o leite materno, já que nesta fase ele já não supre 100% das necessidades nutricionais.

Chamada de alimentação complementar justamente porque o leite materno não deve ser suspendido, permanecendo até os dois anos de idade, ele deve ser complementado com outros alimentos gradativamente até que o bebê chegue na alimentação igual da família quando atingir 11 a 12 meses.

Sistema digestório imaturo

Paladar

É formado a partir do quinto mês juntamente com a habilidade de mastigar e não apenas sugar.

Digestão

O sistema digestório está preparado para receber apenas leite materno quando o bebê nasce, sendo incapaz de produzir diversas enzimas que digerem carboidratos mais complexos, além da lactose. Quanto às proteínas, é ineficaz na digestão destas ocorrendo a absorção de moléculas proteicas muito grandes predispondo o organismo a processos alérgicos e infecciosos. A digestão de gorduras é lenta e prejudicada até os dois anos de idade, quando todo o sistema amadurece por completo. Vitaminas e minerais são absorvidos de maneira adequada desde o nascimento do bebê.

A vantagem do leite materno é que o carboidrato principal na sua composição é a lactose, as proteínas tem peso molecular baixo e já vem com a enzima que digere a gordura contida no leite 😉

Leia também  BLW: tendência de alimentação para bebês

Ao longo dos 12 meses o sistema digestório vai amadurecendo e tornando-se eficaz na sua função.

Com quais alimentos iniciar?

Seis meses

No sexto mês apresentamos as frutas na forma de sucos ou amassadas no garfo. Iniciando uma vez ao dia, nos intervalos entre as mamadas da manhã ou da tarde. Sempre uma fruta por vez para que o bebê acostume-se com os sabores e saiba identificá-los. Pode ser aumentada para duas vezes ao dia e o suco no máximo 100ml/dia, para que não fique saciado e não mame. Neste momento pode iniciar a oferta de água mineral, lembrando que tanto as frutas quanto os sucos não devem ser adoçados com nenhum tipo de açúcar e o mel é recomendado apenas após um ano de idade devido a presença de uma bactéria chamada Clostridium botulinum.

Sete meses

No sétimo mês é introduzida a papa salgada, também uma vez ao dia, oferecida no horário do almoço ou jantar. As primeiras papas podem ser compostas apenas por três ingredientes sendo um carboidrato, uma proteína e uma verdura ou legume.

Por exemplo:

Batata + Frango + Cenoura

Mandioquinha + Carne bovina + Abobrinha

Arroz + Ovo + Brócolis

Assim que o bebê se acostumar com os sabores salgados, deixamos a papa mais completa com a introdução das leguminosas:

Batata + Frango + Cenoura + Repolho + Lentilha

Mandioquinha + Carne bovina + Abobrinha + Couve + Feijão

Arroz + Ovo + Brócolis + Abóbora + Erviha

A forma de preparo é bem simples: refoga-se alho, cebola, salsinha, cebolinha, sal (bem pouquinho) em uma colher de sopa de óleo de soja, cozinha-se os alimentos até ficarem bem macios. Nas primeiras papas, os alimentos devem ser amassados no garfo e as carnes desfiadas e picadas (não liquidifique ou passe na peneira!), oferecidos separadamente para que o bebê sinta os diversos sabores. Não use temperos industrializados, eles são prejudiciais para a saúde contendo gorduras impróprias e sal em excesso.

Leia também  Hoje é dia de culinária infantil

variedade de alimentos

Oito meses

O bebê já deve estar fazendo no mínimo quatro refeições por dia intercaladas com as mamadas: fruta/suco + papa salgada (almoço) + fruta/suco + papa salgada (jantar). Amassando cada vez menos os alimentos para que haja  mastigação de uma forma suficiente e adequada e se aproxime cada vez mais da alimentação habitual de casa.

engraçadinho

E se seu bebê recebe fórmula infantil?

A alimentação complementar inicia-se da mesma maneira! Apenas atente-se na troca da fórmula, pois até os seis meses de idade é indicada a fórmula infantil de partida, geralmente vem escrito na lata o número 1. Ao completar os seis meses troca-se a fórmula de partida para uma de segmento, indicada pelo número 2.

Outros pontos importantes

Sempre ofereça um alimento de cada vez, para que possa ser identificadas possíveis alergias e intolerâncias alimentares.

Caso seu bebê não aceite algum alimento, não se desespere, tente oferecê-lo de outra maneira na forma de suco, por exemplo, e ofereça várias vezes. Lembre-se que todo sabor é novo para ele que conhece apenas o leite, por isso, não é que ele não tenha gostado, mas sim tenha sentido a sensação pela primeira vez.

O leite de vaca integral, assim como o seus derivados (iogurtes, petit suisse, queijos, requeijão) devem ser evitados até completar um ano de vida, para que o sistema digestório seja capaz de digerir e absorvê-los.

Atenção!!!

Não ofereça, de forma nenhuma, em hipótese alguma açúcar, refrigerantes, sucos em pó, salgadinhos, embutidos (linguiça, salsicha, hambúrguer, presunto, mortadela, salame), frituras, balas, chocolate, entre outras guloseimas para o seu bebezinho. Você forma o hábito alimentar dele, você é responsável pela nutrição dele, e não vai querer que já inicie a vida comendo alimentos impróprios que podem causar doenças no futuro.

Leia também  Meu filho come demais, e agora?

O método discorrido acima é proposto pela Organização Mundial da Saúde (OMS), mas há também o método BLW de introdução alimentar, damos uma pincelada nele em outro post, clique aqui para saber mais.

Lembrando que estas informações não substituem a orientação de um profissional da saúde! Procure o seu pediatra e encaminhe para um nutricionista!

Conte-nos como foi ou está sendo a introdução alimentar do seu bebê!

Beijos =**